quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Entrevista com Neto - Queda do Corinthians

Entrevista concedida a Vanessa Amaral no dia 25/11, na rádio Transamérica

Neto fala sobre os responsáveis pelo rebaixamento e a parceria com a MSI

O que representou a queda do Corinthians para série B pra você?

Neto: “Pra mim, eu fiquei muito triste com a queda do Corinthians pra série B, acho que o Corinthians não merecia isso, acho que o Corinthians não precisava cair para segunda divisão pra organizar de novo a estrutura do Corinthians; o Corinthians foi muito roubado durante muitos anos, e essa queda vai ficar marcada eternamente.

Aonde o Corinthians errou na queda?

Neto: “Errou em tudo, nas contratações, errou quando fez a parceria com a MSI, nos jogadores, depois na chegada do Nelsinho, achando que ia dar, no jogo contra o Vasco que podia ter ganho o jogo e não ganhou no Pacaembu, aí deixou pro jogo contra o Grêmio e conseguiu o empate, errou em tudo, foi incompetência de todo mundo”



Fala um pouquinho sobre a parceria do Corinthians com a MSI.

Neto: “Eu já disse várias vezes que a parceria com a MSI só foi bom para as pessoas que ganharam dinheiro, né? Para as pessoas que usufruíram dos bens do clube, o s jogadores que vieram ganhando um salário que nem na Europa se ganhavam o que eles ganhavam, só foi bom pros jogadores que eram da MSI, pro Kia e tanto é que o Corinthians caiu pra segunda divisão.

Seu relacionamento na tv Bandeirante com a Renata Fan, Luciano du Valle, Dr. Osmar, Godoy e Ulisses Costa é tão bom quanto na rádio?

Neto: " Ter bom relacionamento não significa que você é amigos das pessoas. Hoje, as pessoas não dão mais bom dia, eu, às vezes, sou muito duro com as pessoas,falo sem pensar e acabo magoando as pessoas, mas na verdade eu tenho mais amigos na rádio do que na Bandeirantes, na Bandeirantes eu tenho mais amigos fora do ar. Meu relacionamento com a Renata é muito bom, como Dr. Osmar, com Ulisses, com o Godoy, que é um dos meus melhores amigos; eu que conhecia ele só profissionalmente, agora ele é meu amigo pessoal; uma pessoa integra, eu nunca vi o Godoy; ás vezes ele é meio chucro, mas é uma ótima pessoa.

Você se arrepende de alguma que você fez na sua carreira?

Neto: "Ah ... a única coisa de que me arrependo foi que eu cuspi na rosto do José Aparecido(arbitro), foi uma coisa muita errada que eu fiz, ainda mais em um negro, e naquela época não tinha essa luta contra o racismo como hoje, eu acho que seue tivesse feito isso hoje, eu nunca mias pisava no campo .... porque sempre me perguntam isso, quantos anos você tem ?"

Vanessa: 18

Neto: Então isso foi em 91, vc tinha 1 ano, vc mamava no peito ainda ainda, vc não sabia nem o que era cuspir( risos). Me arrependo disso, eu vou deixar de viver por causa disso, não posso morrer por causa disso, mas a vida continua; a vida do José aparecido também, ele já me perdou e é isso aí

Sem modestia, qual a sua importância na históra do Corinthians?

Neto: " Ah ... é difícil falar de mim ... se você fizer uma pesquisa, às vezes eu tô em segundo , terceiro, primeiro; eu sempre fico entre os cinco ... então é muito gratificante pra mim. Tudo que eu tenho hoje é graças ao Corinthians"

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

A história de Neto!

Retirado do site Gazeta Esportiva.net, que ilustra a carreira de Neto, as confusões em que se envolveu, títulos que conquistou e seu final de carreira.

Neto, o xodó da Fiel


Gazeta Press

O começo - José Ferreira Neto estreou entre os profissionais do Guarani com 16 anos. Mesmo com peso acima do que seria normal para um atleta, a precisão de seu pé esquerdo fez do jogador uma peça indispensável para a armação das equipes pelas quais passou. Foi nesta época também que sua característica marcante aparecia: as cobranças de falta precisas. Em 1986 passou pelo Bangu e, no ano seguinte, pelo São Paulo, onde conquistou o Campeonato Paulista. Porém, estas passagens serviram apenas para Neto ganhar experiência. De volta ao Guarani, o jogador fez uma bela temporada, marcando inclusive um gol de bicicleta no Corinthians, seu futuro clube. Na final do Paulista, no entanto, o troco, e o título foi para o Parque São Jorge.

Com Leão não dá - Suas boas atuações lhe renderam um bom contrato com o Palmeiras. Porém, os problemas com o peso passaram a atormentar ainda mais a vida de Neto. O técnico do time era Émerson Leão, que não aceitava a forma física do jogador. O treinador chegou a separar os demais jogadores dos considerados "gordinhos" durante a hora do almoço, nos treinamentos e até mesmo nas concentrações. Neto jamais aceitou esta atitude e vivia batendo de frente com Leão. Algumas lendas foram criadas em cima desta briga, sendo que uma delas diz que o jogador teria enconstado um revólver na cabeça do técnico-tirano. A solução encontrada pela diretoria foi negociar o atleta. Em uma troca com o Corinthians, o Palmeiras enviou ao Parque São Jorge Neto e Denys e recebeu Ribamar e Dida.

O xodó da Fiel - O ano era 1989. Neto desembarcava no Corinthians desprezado pelo Palmeiras e em uma eterna briga com o peso. A Fiel, já em suas primeiras apresentações, percebeu que um novo ídolo estava surgindo, o Xodó da Fiel. Para agradar, Vicente Matheus mandou retirar até a balança dos vestiários corintianos. O Campeonato Brasileiro de 90 foi a consagração total. Artilheiro de uma equipe sem estrelas, comandada por Nelsinho Baptista, Neto foi considerado o maior responsável pelo título até então inédito.

Com 90 gols, boa parte deles em cobranças de falta, Neto era um maestro no meio-campo e uma certeza de boas chances nas bolas paradas. Em 1993, após a derrota para o Palmeiras na final do Paulista daquele ano, o jogador se transferiu para o Milionários da Colômbia, voltando ao Timão em 1996, desta vez não tão eficiente, mas sempre com uma enorme vontade de ajudar o time. Em 1997 conquistou o Campeonato Paulista, passando boa parte das partidas no banco. Sua despedida do Parque São Jorge aconteceu em 1998.

Polêmico - A atitude do jogador dentro de campo fazia a Fiel gostar ainda mais de Neto. Polêmico, mostrando raça, vontade e determinação, o Xodó era a cara da torcida. Brigava com juízes, tirava a camisa para comemorar, provocava os adversários, mas às vezes exagerava. No dia 13 de outubro de 1991, por exemplo, em uma partida contra o Palmeiras, no Morumbi, o árbitro José Aparecido de Oliveira, com uma série de erros começou a irritar os jogadores corintianos. Neto não se contém e dá uma cuspida no rosto do juiz, e acaba expulso aos 28 minutos. Por causa disso, o jogador levou uma suspensão de quatro meses.

Na seleção - As boas atuações no Corinthians abriram caminho para que o jogador tivesse sua chance na seleção brasileira. O técnico Paulo Roberto Falcão assumia a equipe logo após o fracasso da Copa do Mundo de 1990 e precisava de um líder. O escolhido foi Neto, capitão do time durante entre 1990 e 1991. A seleção não foi tão bem como se esperava e serviu como um laboratório para que novos nomes, como Mauro Silva e Márcio Santos, fossem lançados. Falcão não deslanchou e, com a entrada de Parreira, Neto também não teve mais espaço. Fica a lembrança do jogo em homenagem aos 50 anos de Pelé, quando o Xodó substituiu o Rei. Jogou 21 partidas oficiais e marcou cinco gols.


Gazeta Press

O final de carreira - Após sua mais importante passagem pelo Corinthians, Neto foi para a Colômbia, onde defendeu o Milionários. Foi uma passagem rápida, logo ele retornava ao Brasil para defender o Santos. Depois disso uma longa perigrinação por diversas equipes: o Matsubara, o Araçatuba, o Atlético/MG, o Etti, o Osan e finalmente o Deportivo Italchacao.

Neto já não era mais o mesmo. Embora sua precisão não tivesse mudado nada, sua movimentação em campo era bem menor e, seu problema com a balança, literalmete começava a pesar. O meia então resolveu deixar os gramados, mas jamais o futebol. Fez uma boa carreira como comentarista esportivo, até que conseguiu realizar um sonho...

Realizando um sonho - Aos 34 anos, Neto realiza um de seus maiores sonho. O ex-meia foi contratado para ser o novo gerente de futebol do Guarani. “Queria exercer essa função há muito tempo. Vou ser o elo de ligação da comissão, ter autonomia, acompanhar os treinos, dar moral ao elenco e procurar resolver os problemas particulares de cada atleta”, diz Neto, que tentará tirar o Bugre de uma terrível crise, que deixou o time nas últimas posições do Paulista 2001 e na lanterna do Brasileirão no início da competição.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Entrevista com Neto

Na próxima segunda, dia 17, vou entrevistar o Neto.

Se quiserem fazer alguma pergunta sobre ele, é só mandar ....


Vanessa Amaral

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Conheça um pouco mais sobre José Ferreira Neto.

Ficha Técnica

Nome: José Ferreira Neto
Nascimento/local: 09/09/1966 - Santo Antônio da Posse - SP
Período em que jogou no Corinthians: 7 anos (de 1989 à 1993 e em 1997)
Jogos: 228
Gols: 80
Média: 0, 35 gol/jogo
Títulos: 1 Campeonato Brasileiro (1990) e 1 Campeonato Paulista (1997)

Decidimos criar esse blog em homenagem a um dos maiores jogadores da história do Corinthians e do futebol brasileiro, onde se destacou pela sua irreverência, talento e raça. Atualmente, Neto se destaca pelos suas declarações e opiniões polêmicas, mas sempre com muita propriedade e experiência de alguém que já viveu nos campos de futebol.


Uma breve introdução, com um pouco da história do craque Neto.



video